Cinco pontos de um comediante – #3 Ponto de vista

Seguimos à luta, camaradas. Hoje apresentando mais um dos cinco pontos de um comediante. Caso você esteja voltando de um coma e não tenha lido os dois posts anteriores sobre o assunto, clique aqui para ler sobre ritmo e aqui para o post sobre escrita. O assunto de hoje é um dos que eu venho conversando com mais afinco com meus colegas comediantes e creio ser um dos fatores que mais marcam um grande cômico stand-up: o ponto de vista.

Gosto de falar sobre esse tema por um simples motivo: acredito que não exista um grande comediante que não tenha ponto de vista em suas piadas. Pense nos mais variados nomes, das mais diferentes épocas, todos têm ponto de vista muito bem definido em cada piada. Quando Chris Rock fala sobre seu divórcio no especial “Tamborine” (assistam no Netflix), quem assiste sabe exatamente o seu posicionamento sobre o assunto, o lado que ele está abordando e o sentimento dele a respeito do tema. Todo mundo que assistiu sabe, de modo límpido, o que ele pensa a respeito daquele tópico. Não são apenas piadas sobre divórcio ou casamento. São posicionamentos dentro do tema.

Sabemos o que George Carlin pensa sobre aviões, o que Louis CK pensa sobre criar suas filhas, o que Jerry Seinfeld pensa sobre taxistas. Tudo isso ocorre porque todos eles têm um ponto de vista claro no assunto. Eles não buscam a piada que “a plateia vai rir”. Eles tentam fazer com que o que eles pensam se torne engraçado para a plateia. Esse é o verdadeiro desafio.

“Mas eles têm décadas de comédia, eu sou apenas um aprendiz com ranho escorrendo do nariz, eu tenho que fazer piada pela piada”. O cacete que tem. Desde cedo o comediante tem que desenvolver seu ponto de vista. Existem humoristas com excelente técnica de escrita, mas nunca serão grandes comediantes. Um dos motivos é a ausência justamente desse elemento. Piadas sem ponto de vista são ocas, vazias por dentro. A embalagem pode até ser bonita, mas o conteúdo não existe.

Qual o seu take particular do mundo? E isso engloba não apenas assuntos pessoais, mas também os maiores clichês da história da humanidade. Quer fazer piada sobre a Preta Gil? Ótimo. Mas escreva sobre o que você REALMENTE pensa sobre a Preta Gil. Acha ela feia? Bonita? Gorda? Magra? Pense com a sua cabeça, não com a dos outros. Seja original. Quer fazer piadas sobre relacionamentos? Quais seus verdadeiros sentimentos sobre seu namoro, casamento, esposa, marido? Você não aguenta mais? Você adora ser casado? Você queria um marido mais bonito? Seja verdadeiro. Exprima suas ideias. Novamente: pense com a sua cabeça. Não caia na tentação de escrever o que você acha que as pessoas querem ouvir. Escreva o que você quer dizer.

Quando você faz a piada pela piada, uma piada “oca”, você está pensando com a cabeça de todo mundo. Te desafio: abra o word, seu caderno, escreva na parede com seu próprio sangue. Tire uns minutos e escreva alguma piada sobre relacionamento. Ser casado, estar namorando, não importa. Escreva. Agora leia em voz alta essa porcaria aí. Você realmente concorda com o que essa piada diz? Ela exprime sua verdadeira visão sobre esse relacionamento? Ou você está apenas replicando elementos e clichês que você já ouviu outros humoristas falando? Reflita. Faça isso com todas as suas piadas. Reflita. Pense com a sua cabeça. Se você não acha que mulher dirige mal, que a Regina Casé é feia, que comida de avião é ruim, por que você fala isso no palco? Seja verdadeiro, não tenha medo de expressar suas ideias, seu olhar particular do mundo. Porque é justamente isso que marca um comediante: a maneira peculiar com que ele observa as coisas. Um humorista jamais será grande pensando com a cabeça dos outros. Todos os gigantes têm raciocínio próprio. Reflita.

Claro, o ponto de vista não se resume a opinião do humorista sobre um assunto. O ponto de vista do Anthony Jeselnik é que ele é um maldito que ri de qualquer desgraça. O do Steven Wright ou do Mitch Hedberg são a lógica e pensamento absurdos. Nenhum deles chega a expressar opinião, mas ninguém duvida que todos têm pontos de vista claríssimos. Quando você assiste qualquer um deles, você conhece o comediante, você o entende e compreende a maneira como ele pensa.

Fiquem de olho no blog, sigam ele no WordPress, curtam minha página no Facebook, pois é por lá que sempre divulgo quando tem post novo. Em breve nos encontramos para mais uma conversa gostosa. Te espero.

Anúncios

Tente SER um comediante

Uma reclamação comum à beça entre comediantes é que o mercado do stand-up comedy está ficando saturado. Todo dia surgem mais e mais humoristas e os shows estão ficando diminutos. Verdade. Apesar de não concordar que exista um inchaço no mercado (vamos lá, não existem sequer 10 comedy clubs no país todo e nem metade das capitais contam com grupos de stand-up), acredito sim que há uma falta de mão-de-obra qualificada. Abundam “humoristas”, com aspas, escasseiam HUMORISTAS, em letras garrafais.

A internet é uma das mães da comédia stand-up no Brasil. É por ela que vários comediantes divulgaram e ainda divulgam seus trabalhos. É um meio simples, rápido, eficaz e, a princípio, gratuito. Mas nem tudo são flores e unicórnios no belo mundo da internet. Graças à essa facilidade em autopromoção, todos os dias somos afogados por convites para curtir páginas de comediantes que desconhecemos. E desconhecemos ou porque nunca tivemos contato, ou porque não são comediantes mesmo.

Percorrendo não apenas as redes sociais, mas também o mundo real, percebo a crescente sede de humoristas iniciantes por curtidas, seguidores, visualizações e compartilhamentos. Todo open mic tem uma página, uma agenda da semana, uma logomarca, um vídeo que ele espera que bombe e o leve ao estrelato. E, não me entendam mal, cada um tem o direito de divulgar seu trabalho e buscar algum tipo de sucesso. Por mim você pode colocar um outdoor no meio da cidade com a sua foto enrolado no fio de um microfone seguida dos dizeres: “Sou o mais pica, me contrata”. Porém, noto que existem muitos que se preocupam mais em atingir 10 mil curtidas em sua página no Facebook do que em construir 10 bons minutos de material no palco. Se empenham mais em parecer um comediante do que em ser um.

O que faz alguém ser comediante não é o número de visualizações que ele tem no Youtube, nem a quantidade de seguidores no Twitter, tampouco o número de curtidas no Instagram. É o palco. O bom, velho, e maldito palco. O público do bar não se importa em quem tem mais seguidores no Snapchat, e sim em quem é mais engraçado, quem tem o melhor material. Criar uma página no face é fácil. Difícil é criar uma piada foda e original.

Acho ótimo que muitos open mics tenham a consciência de que é necessário ter um canal para divulgar seu trabalho para o público. Muitos humoristas com anos de carreira não têm site ou sequer uma página decente (me incluo nesse grupo de preguiçosos). Mas preocupe-se, primeiramente, em ter um bom trabalho para divulgar. Se empenhe mais em fazer shows do que em divulgá-los. Preocupe-se mais em conseguir escrever 10 minutos ótimos do que fazer com que seu vídeo tenha 100 mil visualizações. É como a Chiquinha, que compra um líquido para polir objetos de prata sem ter nenhum objeto de prata em casa.

Não quero dizer que open mics não devem ter suas páginas, projetos de Youtube, agendas da semana ou vídeos compartilhados. Façam à vontade. Só aconselho que estabeleçam prioridades e sempre, sempre e sempre coloquem como prioridade número 1 melhorar como humorista, escrever piadas mais engraçadas, um set melhor construído, fazer um show cada vez melhor. Quem sabe, se você fizer um show muito bom, alguém que te assistiu queira curtir a sua página.

Porque não adianta tentar parecer um comediante. Tente SER um comediante.

Como testar material

Todo comediante é um pouco masoquista. Bem, talvez masoquista não seja o termo que procuro. Um humorista não necessariamente deve gostar do sofrimento, mas aprender a lidar com ele a cada minuto em que está no palco. Já ouviu falar que todo atleta de alto rendimento tem de conviver com dores? Então é isso. Um comediante é um atleta de alto rendimento. Eu sou um atleta de alto rendimento. Nos vemos nas Olimpíadas.

Não pensem vocês que esse papo de lidar com sofrimento ou dor tem a ver com depressão, melancolia, ou tristeza (tem também). A angústia a qual me refiro é no trato comediante-plateia. Jerry Seinfeld disse uma vez (provavelmente mais de uma. Meu palpite é 34 vezes) que ninguém é mais julgado, na sociedade civilizada, que um comediante stand-up. E isso é a mais pura verdade. A cada piada que um humorista conta, um julgamento ocorre. Se a plateia ri, o coitado é absolvido. Se o silêncio imperar, ele é condenado. E tal corte marcial do chiste tem seus lados bom e ruim.

A parte ruim é, lógico, a pressão de ser avaliado a cada piada contada. Ter a obrigação de fazer um monte de estranhos rirem após uma historinha que dura 15 ou 20 segundos é, analisando friamente, insano. Isso sem contar o fato de que essa experiência deve ser repetida dezenas e dezenas de vezes em uma apresentação de 10 minutos.

O lado bom, é que cada piada significa uma chance de recomeçar. Você foi condenado após uma piada ruim? Terá a oportunidade de ser absolvido na próxima. Toda piada é um julgamento em separado. Mas isso também, olha só, tem um lado ruim. A parte chata é que, se você contar uma piada muito boa, digna de aplausos e gritinhos, a próxima tem que ser boa também. Essa piada magnífica não serve de nada se as duas seguintes não funcionarem. Você foi absolvido após uma piada boa? Existe a chance de ser condenado na próxima. Toda piada é um julgamento em separado.

E, se todo esse processo parece assustador, mesmo utilizando um material “garantido”, imagine só o caos interno que enfrenta um comediante quando vai testar piadas novas. E esse, senhoras e senhores, é o tema de hoje.

Escrever e apresentar um novo material é parte constante e também muito importante na vida de qualquer humorista, e cada um procede de um jeito na hora de testar piadocas novas. Alguns estreiam uma piada de cada vez, a fim de montar um set completo ao final de um determinado período. Outros experimentam trechos maiores, de dois, três ou quatro minutos, e há também aqueles que tentam entradas inteiras inéditas, de 10 ou 15 minutos. Na minha ótica, todas essas maneiras de testar piadas têm seus prós e contras, cada comediante segue a que lhe deixa mais confortável. Mas, certamente, há métodos mais seguros que outros.

Testar piadas individualmente, uma a uma, é a maneira mais segura e demorada para conseguir material novo, talvez a mais indicada para open mics. Experimentar bits, de três ou quatro minutos sobre um mesmo tema, creio ser o mais normal entre os humoristas. E, por fim, fazer entradas inteiras novas é o método mais arriscado de criar texto e, que eu saiba, é o menos utilizado atualmente. Particularmente, usei essa ferramenta apenas uma vez e foi bastante ruim. Mas acho que a tentativa valeu a pena e, por que não, possa ser utilizada novamente.

Abrir uma apresentação com piadas novas não é uma boa ideia. Não vou dizer que você nunca deva utilizar piadas estreantes na abertura, porque acredito que o stand-up também deve ser um espaço para experimentação e, caso você sinta-se confiante para tal, é sua conta que está em risco. Mas creio que não há nenhuma vantagem em se abrir com material novo, além de ser uma prática recheada de perigos. A abertura é um dos momentos mais importantes de sua apresentação, e um início capenga vai interferir no bom andamento do show. O problema de abrir com piadas novas é que não se sabe como elas farão o público reagir. E impossível definir qual o nível de risadas que uma piada ou material novo pode alcançar. Claro, sabe-se que alguns temas são mais fáceis de se obter riso, como os velhos “corinthiano(ou quem mora longe)-ladrão”, “são-paulino(ou gaúcho)-gay”, “Preta Gil(Péricles ou Arlindo Cruz)-gorda”, além de estereótipos em geral. Se você está pensando em fazer piadas com essas lógicas diante de uma plateia, faça um favor para todos e nem saia de casa. O mundo não precisa de mais piadas como essas.

E, além da imprevisibilidade do material novo, outro obstáculo que o comediante enfrenta ao abrir com piadas novas é o seu próprio nervosismo. Já há uma tensão normal que envolve o começo da apresentação, assim como há ansiedade quando se testa algo novo. Juntar as duas não me parece inteligente. “Mas Pedro, então qual o momento certo para que eu insira minhas piadas novas”? O melhor é colocar as piadas novas entre duas que funcionem bem. Essa é uma recomendação clássica do stand-up. Dessa maneira, se impede que o rimo do show caia caso o material novo não funcione. Mas acho que vale a pena aprofundar um pouquinho nesse tópico e falar sobre a organização do material dentro de um set. Em 10 ou 15 minutos de apresentação, há tempo de se fazer uma abertura bem caprichada, de três ou quatro minutos, para aí sim introduzir as coisas novas. Digamos que o material estreante tenha três minutos. Ao término dele, serão sete minutos de apresentação, o que deixa tempo suficiente para realizar um bom final e fechar em alta. Eu, particularmente, não gosto de colocar um material novo exatamente no meio da apresentação. Procuro encaixá-lo entre o início e o meio, ou da metade para o final, dependendo da plateia. Diante de um público mais fácil, em que a abertura do show foi o suficiente para fazer com que eles se soltassem, coloco o texto novo antes da metade do show. Já confrontando plateias mais difíceis, que não riem tanto, deixo as piadas novas para a segunda metade da apresentação, deixando mais tempo para preparar o terreno com um material “garantido”. Prefiro esses métodos pois me incomoda que o miolo da apresentação seja o seu ponto fraco. Não sei exatamente o motivo, mas isso me dá uma sensação ruim. Mas, como disse antes, cada comediante tem sua maneira de proceder, não há certo ou errado.

Mas, e no caso de nossos pequenos open mics, como eles testarão piadas novas em seus preciosos 5 minutos? Antes de falar sobre isso, quero aqui ressaltar outra recomendação do stand-up que, apesar de clássica hoje, não tive acesso na minha época de iniciante: mais importante que ficar fazendo piadas novas todo show, é o open mic conseguir construir um set de cinco minutos muito bons, que funcionem em praticamente qualquer situação. Claro que, para chegar a isso, é importante a experimentação de material. Mas, nessa fase da carreira, é necessária uma cautela maior. Quando eu comecei, me preocupava em renovar o texto toda hora, sendo que o antigo nem estava bom ainda, e isso atrasou um pouco a minha evolução.

Como todo open mic tem, no máximo, cinco minutos para ficar no palco, testar um bloco de piadas de três minutos, por exemplo, me parece arriscado. Creio que a melhor tática é usar o conta-gotas, como disse lá no começo do post. Trabalhar 1 minuto por vez me parece um número ideal. “Poxa, mas um minuto é muito pouco”. Um minuto é tempo suficiente para testar três, quatro, quem sabe cinco piadas, o que é bastante coisa. E, lembre-se: 1 minuto corresponde a 20% do tempo da sua apresentação. Não é pouco. Quando esse minuto estiver nivelado com o restante do material (que eu suponho ser um nível bom, que arranque risadas de um certo volume frequentemente), você vai para outro minuto. Lapidando e deixando esse novo minuto na mesma condição dos demais, parte para um novo.

Essa é uma maneira muito segura de renovar o seu material sem deixar de fazer boas apresentações, além do fato de que trabalhar e deixar no ponto 1 minuto de piadas é muito mais fácil que três ou cinco minutos. Eu garanto que, se você for um bom open mic e trabalhar duro, no final de um ano você terá 12 ou 15 minutos bons de texto, o que pode (possibilidade, não garantia) te levar a se apresentar como canja ou convidado em alguns shows ou, no mínimo, significa que você terá três sets diferentes, do mesmo nível, para apresentar como open mic.

Há um tempo eu fiz uma sessão aqui no blog chamada “Testando Piadas“, onde eu mostrava como era a minha construção de um texto novo. Clique aqui para ver esses posts e, quem sabe, eu volte com essa sessão tão legal.

Deixe seu comentário aqui ou no facebook, divulgue para os amigos, compartilhe o link e, principalmente, dê sugestões para posts futuros. Sobre o que você quer ler aqui n’O Nascimento de uma Piada?

Pequenas plateias, grandes negócios

Exatamente. Plateias pequenas são, sim, grandes negócios. Obviamente, é muito mais gostoso e divertido para o comediante realizar sua performance perante um público numeroso e ávido por risadas. Mas, é importante que se diga que (quase) nenhum humorista chega a lotar um teatro ou comedy club sem, antes, ter passado por plateias pequenas, para não dizer minúsculas.

Essa é uma fase importante e, no meu ponto de vista, indispensável para qualquer um que queira tornar-se um bom cômico. “Mas, com pouca gente no bar, o show sempre é uma bosta”. Mentira. És um mentiroso e caluniador, caluniador e mentiroso, mentiroso e caluniador, caluniador e mentiroso. Caluniador. Eu mesmo já fiz (e já vi fazerem) shows incríveis com um público que não chegava a dois dígitos. Acredite em mim: o sucesso ou fracasso de uma apresentação está muito mais ligado ao comprometimento do comediante do que com o número de pessoas na plateia.

Se o humorista já subir no palco com a broxante postura de “que bosta, só tem nove pessoas no bar hoje”, o show será sim um martírio. Já presenciei até mesmo iniciantes, nossos queridos open mics, dizendo: “Só tem 10 pessoas no bar hoje. Vamos cancelar?”. Não, não vamos. Guarde consigo essa frase como um conselho: “Comediante que não quer se apresentar com casa vazia, não terá nada a apresentar quando a casa estiver cheia”. Bonito, né? Inventei agora. Mas faz todo o sentido, pode acreditar. Ir bem em um show para 400 pessoas, sinceramente não me impressiona. Mas arrebentar em uma performance para 12, num bar em que a iluminação e o som são precários, cara, você tem o meu respeito.

Não serei hipócrita a ponto de dizer que é supimpa (isso mesmo, SUPIMPA) ficar fazendo apresentações para dez, oito ou quatro pessoas. Mas é um trabalho que precisa ser feito. É uma etapa a ser cumprida. Você não vai sair da fase 1 para chegar à fase 10, sem antes passar pela 2, 3, 4, da água, etc. Desde 2008, quando comecei no stand-up, já fiz dezenas e, quem sabe até, centenas de shows para 20, 15, 10, 8, 5, 3, 2 pessoas. Cheguei a fazer um show para duas pessoas e elas eram minha mãe e meu tio. Vale ressaltar que isso ocorreu em um bar, não na sala da minha casa. Se fosse, certamente teria mais gente.

Mesmo com quase sete anos passados desde então, apresentações com pouco público, volta e meia, acontecem. E deve-se encará-las com profissionalismo. Fazer o seu melhor sempre. Principalmente quando se está em início de carreira. São exatamente nesses shows que você trabalha seu jogo de cintura, sua postura no palco e molda-se como comediante. Um bom humorista deve ser forjado em fogo intenso, ardente, flamejante, e é isso que esses shows são. E aqui cabe um ditado popular que sua vovó Maria dizia: “Aquilo que não nos mata, nos fortalece”.

Tempo

Estourar o tempo. Um dos mais graves, irritantes e mesquinhos erros que um comediante pode cometer. Estou exagerando? Não mesmo. E explicarei por quê.

É um erro muito grave porque é, também, um erro muito fácil de ser evitado. O tempo de seu material talvez seja o elemento que o comediante mais tenha controle quando está em cima de um palco. Ele sabe que tal bit leva quatro minutos, aquela história sobre o término de namoro tem cinco, a sequência de one-liners é de um minuto. A partir daí, é só colocar a matemática pra funcionar pra não vacilar com os colegas.

“Mas Pedro, eu estou começando agora no stand-up, eu não sei quanto tempo minhas piadas tem”. Sabe sim. Ou pelo menos tem uma ideia. Se você vai fazer um open mic, é bastante comum (recomendável, inclusive), que você ensaie seu texto em casa. Falando sozinho mesmo. Como um pirado. Que você é. Enquanto você está contando suas piadas para o espelho, use o relógio ou celular como cronômetro. Pronto, agora já se sabe o tempo de seu material.

Por que é um erro irritante? Pois, sinceramente, é um saco você ter que ficar dando sinal de luz pra um cara que já deveria ter saído do palco há 6 minutos.
E é mesquinho porque prejudica as apresentações dos comediantes seguintes. “Ah, mas a plateia estava tão boa”. Ótimo, então deixe os outros aproveitarem ela também. Vamos imaginar um cenário aqui: Certo show terá, rigorosamente, uma hora de duração, já que teremos um belo cover de Red Hot Chili Peppers logo após o show. Temos seis comediantes no elenco, portanto, 10 minutos para cada. Agora pense que o primeiro faz 12 minutos, assim como o segundo. O terceiro comediante sobre no palco e faz 11. O quarto humorista, finalmente, crava 10 minutos. O quinto a se apresentar também estoura 1 minutinho. O último comediante terá apenas quatro minutos disponíveis. Se fodeu bonito.

Ilustro meu argumento com essa historinha por quê? Para que se perceba que cada minuto que um comediante estoura, isso estoura no rabo de outro humorista. “Mas é só eu não ser o último que está tudo beleza”. O problema não está na ordem dos comediantes, e sim o respeito que se deve ter com os colegas. Se você sempre estoura o tempo, ficará mal visto no meio e ninguém mais vai querer dividir o palco contigo.

Você acha que alguém aqui vai estourar o tempo? Você acha que há margem pra isso?

Se para um humorista experiente isso já é chato, para um open mic pode ser a perdição. Em um ou dois minutos, um iniciante pode ir de “vamos chamar esse cara de novo” para “dá sinal pra ele sair, rápido!”.

Um open mic tem entre três e cinco minutos para se apresentar. Seja onde for, com quem for, o tempo padrão é esse. Se você tiver que fazer menos, os comediantes do show irão te avisar. Se tiver a oportunidade de fazer mais, também te avisarão. Se ninguém falar nada, de três a cinco minutos. Nada mais. Pode sair do palco com 2 minutos? Pode. Pode sair com 6 minutos? Não.

“EBA! Tenho até cinco minutos pra me apresentar, vou preparar um texto de cinco minutos”. Cuidado. Lembre-se que 5 minutos é o tempo limite, o máximo, onde você deve deixar o palco. Meu conselho é deixar uma margem de segurança. Se é pra fazer no máximo 5 minutos, programe-se para 4. Se é pra fazer até 8, vá com 6 ou 7 minutos. Essa diferença pode evitar que você seja o cuzão que estoura o tempo naquela noite, além de poder garantir até uma apresentação futura nesse show.