Pequenas plateias, grandes negócios

Exatamente. Plateias pequenas são, sim, grandes negócios. Obviamente, é muito mais gostoso e divertido para o comediante realizar sua performance perante um público numeroso e ávido por risadas. Mas, é importante que se diga que (quase) nenhum humorista chega a lotar um teatro ou comedy club sem, antes, ter passado por plateias pequenas, para não dizer minúsculas.

Essa é uma fase importante e, no meu ponto de vista, indispensável para qualquer um que queira tornar-se um bom cômico. “Mas, com pouca gente no bar, o show sempre é uma bosta”. Mentira. És um mentiroso e caluniador, caluniador e mentiroso, mentiroso e caluniador, caluniador e mentiroso. Caluniador. Eu mesmo já fiz (e já vi fazerem) shows incríveis com um público que não chegava a dois dígitos. Acredite em mim: o sucesso ou fracasso de uma apresentação está muito mais ligado ao comprometimento do comediante do que com o número de pessoas na plateia.

Se o humorista já subir no palco com a broxante postura de “que bosta, só tem nove pessoas no bar hoje”, o show será sim um martírio. Já presenciei até mesmo iniciantes, nossos queridos open mics, dizendo: “Só tem 10 pessoas no bar hoje. Vamos cancelar?”. Não, não vamos. Guarde consigo essa frase como um conselho: “Comediante que não quer se apresentar com casa vazia, não terá nada a apresentar quando a casa estiver cheia”. Bonito, né? Inventei agora. Mas faz todo o sentido, pode acreditar. Ir bem em um show para 400 pessoas, sinceramente não me impressiona. Mas arrebentar em uma performance para 12, num bar em que a iluminação e o som são precários, cara, você tem o meu respeito.

Não serei hipócrita a ponto de dizer que é supimpa (isso mesmo, SUPIMPA) ficar fazendo apresentações para dez, oito ou quatro pessoas. Mas é um trabalho que precisa ser feito. É uma etapa a ser cumprida. Você não vai sair da fase 1 para chegar à fase 10, sem antes passar pela 2, 3, 4, da água, etc. Desde 2008, quando comecei no stand-up, já fiz dezenas e, quem sabe até, centenas de shows para 20, 15, 10, 8, 5, 3, 2 pessoas. Cheguei a fazer um show para duas pessoas e elas eram minha mãe e meu tio. Vale ressaltar que isso ocorreu em um bar, não na sala da minha casa. Se fosse, certamente teria mais gente.

Mesmo com quase sete anos passados desde então, apresentações com pouco público, volta e meia, acontecem. E deve-se encará-las com profissionalismo. Fazer o seu melhor sempre. Principalmente quando se está em início de carreira. São exatamente nesses shows que você trabalha seu jogo de cintura, sua postura no palco e molda-se como comediante. Um bom humorista deve ser forjado em fogo intenso, ardente, flamejante, e é isso que esses shows são. E aqui cabe um ditado popular que sua vovó Maria dizia: “Aquilo que não nos mata, nos fortalece”.

Anúncios

Um comentário sobre “Pequenas plateias, grandes negócios

  1. Boa! Lembro da primeira vez que fui abrir seu solo e tinha 2 casais, mas o show foi muito legal. Lembro de uma vez que a gente fez com umas 15 pessoas que foram pro show e mesmo assim não foi tal bom quanto o primeiro, mas valeu muito a experiência daquela noite.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s