Open mic

Inspirado nos vídeos da Carol Zoccoli e também em conversas recentes que tive com outros comediantes, acho que vale a pena tratar desse assunto tão especial. Acho, inclusive, que já o abordei aqui. Porém, se não, é uma falha que corrijo agora.

Open mic é, na minha opinião, uma das mais importantes práticas que existem na comédia stand-up. É por meio do microfone aberto que surgem novos comediantes, oxigeniza-se a cena e também, embora menos comum (infelizmente), comediantes profissionais testam seus materiais novos. O open mic é, geralmente, aberto em shows que têm comediantes profissionais em seu elenco ou em noites específicas para iniciantes.

“Open mic” também é o nome dado a quem está começando no stand-up, engatinhando em seus primeiros meses ou até anos de carreira. E, ao contrário do que muitos pensam, ser “open mic” não é sinônimo de comediante ruim, e sim de comediante iniciante. Assim como estagiário não é o mesmo que funcionário ruim. O open mic é o estagiário do stand-up. Ele está lá para aprender e não há nada, repito, NADA de errado ou vergonhoso nisso.

Não é incomum ouvir frases do tipo: “Não quero que me anuncie como open mic”, “É só falar que é open mic que a plateia já pensa que você é ruim”. Uma vez um cara me falou que queria fazer de convidado, com cachê, e que ele fazia stand-up há 3 meses. Respondi que não ia rolar, mas eu conseguiria um open mic, caso ele quisesse. A tréplica foi: “Hum, prefiro não. Open mic é quem faz pela primeira vez, eu já faço há um tempo”. Não sei o que me espantou mais: a ousadia ou a ignorância.

Algo óbvio, mas que me parece necessitar de explicação: quando um comediante te anuncia como open mic em um show, ele não o faz para te prejudicar ou diminuir, e sim para te proteger. É mesmo? É sim. Porque, quando você é trazido ao palco como alguém que está iniciando na comédia, a plateia te dá um desconto se as tuas piadas não forem tão boas, se a tua presença de palco for ruim ou se você esquecer o texto e sair correndo do palco. E isso é até engraçado pra plateia. Agora, se um comediante profissional (ou anunciado como tal) faz isso, é completamente imperdoável já que, meu deus, ele é um profissional.

Curta essa curta fase como open mic. Esse é o momento de aprender, acertar, errar e ouvir conselhos (principalmente dos humoristas mais experientes. Acredite, ninguém ali quer te foder porque tem ‘medo de perder espaço’). E, por fim, gostaria de dar alguns conselhos gerais, que servem para grande parte dos open mics desse Brasilzão:

Não queira ser polêmico
Vi e continuo vendo muitos open mics com essa intenção. Entendo que, por vezes, a intenção não é exatamente essa, porém a falta de perícia na hora de escrever uma piada sobre um tema delicado acaba sendo mais forte que o objetivo inicial. Piadas sobre temas polêmicos são difíceis de fazer, por isso devem ser tratadas com muito cuidado por quem está começando. “Mas Pedro, muito me admira você, que faz humor negro, vir cagar regra pra gente”. Exatamente porque eu faço humor negro, eu sei da dificuldade e do capricho necessário pra que uma piada dessa funcione.  Eu comecei a escrever e contar piadas sobre esses temas após quatro anos de carreira e, mesmo com essa bagagem, levei mais de um ano pra fazer com que elas funcionassem bem. Hoje, procuro mesclar essas piadas com outros tipos de material, justamente porque sei que muita gente simplesmente não está aberta a ouvir uma piada dessas e fecha a cara só de ouvir a palavra “aids”. Agora, um open mic, que pena para escrever uma piada boa sobre relacionamento (ou qualquer tema comum), tem uma chance quase nula de escrever uma boa piada sobre câncer. Espero que com a seguinte frase, eu consiga esclarecer o assunto: a piada não pode ser engraçada PORQUE fala sobre câncer. Ela tem que ser engraçada APESAR de falar sobre câncer. Vale também para aids, aborto, pedofilia, morte, etc.

Entendam, acredito que cada comediante é livre para fazer a piada que quiser, sobre o tema que quiser, da maneira que quiser. Testar limites e forçar barreiras é importante na comédia, só assim evoluímos como humoristas, plateia e sociedade. Mas acaba sendo muito cômodo para um comediante, principalmente quando iniciante, fazer várias piadas com humor negro, ninguém rir e ele pensar: “Não riram de mim porque essa plateia não entende o meu humor”, do que ir mal e refletir: “Talvez essas piadas não tenham graça nenhuma mesmo”. O conforto de ser incompreendido é sedutor (eu mesmo já caí nele, confesso). Mas, se uma piada choca mais do que faz rir, então ela não é boa.

É como pimenta. Tem gente que gosta mais, gente que gosta menos, mas se você for cozinhar pra muita gente, você tem que achar um meio de todos apreciarem a sua comida, independente de gostarem de pimenta ou não. Deu fome.

Espaço não é direito
Isso é muito importante. Subir em um palco para contar piadas e compartilhar suas ideias não é um direito, é um privilégio. “Ninguém me dá espaço pra fazer stand-up”, muitos dizem. Ninguém é obrigado a te dar espaço, eu digo. Absolutamente nenhum grupo ou comediante tem a obrigação de abrir espaço para open mic. Esse é um ato de gentileza, e que deve ser tratado como tal. E, se você não está satisfeito com as oportunidades que (não) recebe, junte-se com outros open mics, monte um grupo e procure um bar para se apresentar. Faço minhas as palavras de Emicida: “Ao invés de reclamar que eu não toco no Espaço Rap, eu fui trabalhar e arrumei espaço pro meu rap”.

Mire os melhores
Sempre compare-se com os melhores, nunca com os piores. Ser o melhor de uma noite de open mic, não quer dizer que você é bom. Segurar o nível em um show que você faz 5 minutos entre os profissionais, aí começamos a ter indícios de um possível-futuro-bom-comediante. Se você vai fazer uma noite de open mic, compare-se com o Mestre de Cerimônias, e não com os outros open mics. Sempre é melhor você assistir a um comediante excelente e pensar “eu sou uma bosta, olha o nível desse cara, tenho que melhorar muito”, do que ver um humorista horrível e dizer “mas eu sou muito melhor que esse cara, que demais”. Cercar-se de pessoas piores que você significa acomodar-se e nunca melhorar. Se espelhe nos bons, em seus ídolos, e queira chegar o mais perto possível do nível deles.

Espero que todos tenham lido até aqui, espero também que tenha ajudado o máximo de comediantes possível e, se eu escrevi algo aqui que você não gostou, ou que deixou alguma dúvida, deixe um comentário ou escreva para pedropontolemos@gmail.com que ficarei feliz em conversar, para fazer a comédia crescer mais e mais em nossa pátria amada e idolatrada salve salve brasil.

Anúncios

4 comentários sobre “Open mic

  1. Obrigado!!! Por suas palavras sim é exatamente isso,fiz um show esses dias numa empresa de perfume e fui com texto que fala só de banheiro, quando eu subi no palco só tinha idosos… ( eu disse, puts e agora) aí tive que muda o texto em 2 minutos,mais deu certo com algumas críticas. Valeu Pedro obrigado pessoas assim que gosto de seguir.

    Curtir

  2. Belas palavras! Tô numa cidade que só tem eu no stand- up o comediante mais perto fica a umas 4 cidades daqui (que inclusive deixou fazer vários opens e me deu muita força!) queria que tivesse mais opens surgindo aqui! to meio por conta própria em um teatro da cidade, testando coisas e tocando o barco pra frente. mas confesso que dói na alma saber que aqui 90% não sabe nem o que é stand up! abraços e obrigado por dividir informação com a gente!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s